Páginas





Amores,
Quanto tempo hein? Minha volta tem como razão algo que vai dar um post bem bacana. A grande verdade sobre essa prolongada ausência é que nada que eu lia, ouvia, assistia provocou uma vontade de escrever, compartilhar. Talvez por algo subjetivo, talvez por não ter sido nada de muito interessante.. Mas, como vocês podem observar isso passou. Na sexta –feira eu tive acesso a um vídeo muito legal e ele me animou bastante a voltar. Eu sentir uma enorme vontade de meter o bedelho e vir aqui pedir pra vocês meterem o bedelho também! Quem gosta de uma boa encrenca, histórias conspiratórias e um bom debate sobre religiões não deixem de conferir essa postagem.

Então, na sexta-feira eu assisti a um vídeo no youtube que realmente segurou minha atenção: Zeitgeist [A Farsa do Jesus Histórico], e depois, como boa aspirante a jurista, eu assisti o Zeitgeist – Refutado.

Deixe-me falar inicialmente do primeiro. O zeitgeist, a farsa do Jesus histórico, trata da, segundo eles, criação do mito Jesus Cristo e a real intenção desta criação. Ou seja, defende que Jesus Cristo nunca existiu e que não passa de uma estória fictícia para ter-se o controle social, a manipulação das massas. Afirma que Jesus é mais um mito, mito aliás plagiado das religiões antigas e pagãs, em outras palavras, a estória de Jesus é uma série de compilações de outras estórias pagãs altamente ligadas a natureza e a astrologia. O vídeo faz relações entre outros deuses nascidos de virgens, com seguidores, mortos e ressucitados. Esclarece a origem desses mitos e as relações e heranças da astrologia, base das antigas religiões pagãs, dentro do cristianismo. (só os esclarecimentos sobre sob que circunstâncias nasceu as primeiras religiões já vale o tempo).

No zeitgeist refutado, é claro que, eles tentam desmentir e até desvirtuar as fontes e informações. A primeira parte já é bem desestimulante. Eles não dão muitas informações úteis ou consistentes, mas não façam como uma boa parte das pessoas que desistiu ali mesmo, na primeira parte. Não liguem muito para os comentários e continuem assistindo para tirar suas próprias conclusões. Apesar dos argumentos simplistas um olhar mais atento pode notar muitas informações importantes.

Bem, a conclusão a que eu cheguei é a de que Jesus existiu, mas não existiu como tradicionalmente conhecemos( o que eu já suspeitava até mesmo antes de assisti o documentário). O Jesus Cristo  criado pela Igreja , este sim, é o colocado a prova por zeitgeist, apesar dele colocar a própria existência de Jesus em questão. Mas enfim, eu cheguei a conclusão de que o homem, Jesus Cristo, existiu mas a maior parte do lado divino e até exotérico da estória foi criada, no meu entendimento e partindo da certeza da manipulação dos escritos por toda idade média, desde a criação do cristianismo, de fato baseada nos antigos mitos e crenças pagãs justamente para serem melhor aceitas pelos pagãos que a Igreja deseja converter e com isso controlar. Método esse que foi reutilizado na conversão dos escravos, com as associações dos orixás com os santos católicos o que facilitou sua conversão.

Resumindo, o Jesus criado pela Igreja, este sim foi produzido visando o controle social e a ascensão ao poder. Tenho consciência de que uma opinião final só poderia ser possível caso tivesse acesso aos mais diversos documentos originais ou no dia em que inventassem a tal máquina do tempo. Mas enquanto isso não acontece a gente vai achando as coisas...

Zeitgeist

Zeitgeist - refutado



Qualquer dia desses eu faço uma postagem falando sobre minhas impressões a respeito das religiões..

E você, o que conclui dos vídeos?

Pronto, falei. Agora é sua vez.

 

Pesquisar este blog