Páginas



Com a licença do "Seu Creyson",

"Povio meu", bem (re) vindo!

Hoje eu vou meter o bedelho bem rapidamente, pelo menos é o que eu pretendo..^^

Bem, depois de um comentário de uma conhecida no  facebook e de tomar conhecimento de uma "lei antibaixaria" que "minha" Câmara votou recentemente eu resolvi vir aqui meter o bedelho no assunto. Que assunto? A MPB (Música Periférica Brasileira).

O comentário dessa conhecida minha, que vamos chamar de A.A., foi referente a uma nova música que anda fazendo algum sucesso aqui no Estado: "Colar de negão, luva na mão, do jeito Michael Jackson. Que estraho hein?" Autor? Magary Lord, uma revelação do carnaval baiano... Bem, essa coleguinha minha, com o perdão da expressão, "meteu o pau" na música e disse que é a maior sandiice, porcaria e demais adjetivos similares.. Que é uma música sem letra, nada com nada.. Essas coisas. Para ser bem honesta, eu já fui do tipo que criticava músicas populares, sem preocupação com a letra e com vasto uso de onomatopéiias e frases de duplo sentido. Na verdade eu ainda torço o nariz para muitas delas, confesso. Mas a questão é que mesmo torcendo o nariz para alguns exemplares da nossa MPB, hoje, eu a entendo de uma maneira mais "carinhosa" digamos assim..

Eu percebi que a MPB em questão é um retrato de uma sociedade, não só a MPB, mas qualquer tipo de música. Ela reflete a realidade e o cotidiano de um grupo social e é mera ilustração dela. Analisando o teor das "letras" você consegue, com algum sucesso, fazer um retrato sócio-cultural de um grupo. O que pode ser muito interessante. Além de uma análise "literária" das músicas populares, eu acho interessante observar os elementos de ritmos e mistura de sons, típicos desses grupos, como outro elemento importante de análise. No caso citado, Magary Lord, apesar da letra não ser nenhuma obra prima, o cara apresenta um ritmo diferente para as pessoas: o black semba, e isso é formidável como riqueza musical, a mim pessoalmente, me agradou muito. Com referências claramente africanas, esse ritmo envolve e mexe com os sentimentos e emoções das pessoas. E até onde eu sei, o que não quer dizer muito, é este o objetivo da arte em geral: tocar o ser humano e lhe despertar emoções.

Vejamos uma análise rápida de como a música é reflexo de um povo:

Os artistas que viveram em época da ditadura tinha a liberdade como um dos seus mais recorrentes temas,  que nos diga Rauzito com  sua sociedade alternativa e seu sutil "sapato 36". Cazuza e sua "Ideologia" e "O tempo não pára" que denunciavam a corrupção de um país e refletia uma geração que estava quase perdendo seu poder de luta política. Gabriel, o pensador e sua denúncia de Brasil com sua "Pátria que me pariu". E por que não Racionais Mc's e seu "Diário de um detento" que mostra a realidade dos condenados,  Michel Teló, com seu "Ai se eu te pego" e o clima de total despreocupação político-social e amplo interesse nos assuntos "pegatícios", e Cidinho e Doca com seu "Rap das armas" e a realidade da favela, assim como fez Noel Rosa, que em suas canções ilustrava a vida boêmia e Bezerra da Silva e a malandragem e a vida na favela da sua época..

A música é como um livro, para que você possa fazer uma interpretação correta do conteúdo, você precisa conhecer um pouco da vida e do contexto histórico do autor, senão fica comprometida a leitura. O problema é que tudo que é do gueto, do povão, é dispensado como se não tivesse valor nenhum, o que não é verdade. Música clássica e um solo de guitarra não dizem nada , mas agradam alguns, por quê? Não mexem, assim como as outras vertentes, com as emoções? E por que não são negligenciadas? Pode ser meu caro leitor,  porque ela foi imposta de cima para baixo, e isso aqui no Brasil tem grande importância. Afinal, "todo mundo quer ser chique e sofisticado".

Muitas pessoas, por exemplo, repudiam funk, acham uma baixaria só, mas adoram as musiquinhas do 50Cent, por exemplo. Por que? Porque é "international baby",  o ritmo é empolgante e tudo que é gringo aqui, ainda, tem grande valor. As letras do 50Cent, na maior parte,  não devem nada aos pagodes baianos e funks cariocas, só para citar exemplos. (Isso sem comentar as doidices de Lady Gaga que fazem um estupendo sucesso ..)

Quero deixar claro que nem toda espécie de MPB eu gosto, nem ninguém é obrigado a gostar de tudo, afinal, cada um se sente tocado por uma coisa. A questão aqui é respeito e mudança de foco no tratamento das MPBs. A individualidade é responsável por fazer você se agradar de umas coisas e de outras não. O que eu quis colocar em questão neste post é que toda expressão musical tem seu valor e deve ser olhada com mais atenção e senso crítico e não apenas ser rotulada como lixo, com simples repressão impensada, fundada na aceitação de verdades impostas pela elite. Conheça a si mesmo, aceite com honestidade o que te toca e seja feliz. Admita do que você gosta e por que gosta sem temer "pertencer aos perdedores" por causa de uma preferência musical ( e de tantas outras coisas..). Muitas vezes permitimos que a sociedade nos "construa" e esquecemos de olhar dentro de nós e descobrir quem realmente somos.

Pensei que seria mais breve.. mas vocês sabem né? Eu falo demais.. ^^

Pronto, falei. Agora é sua vez.

Pesquisar este blog