Páginas

A incessante busca pela verdade leva o indivíduo a ter uma facilidade muito grande de " associar-se" a uma determinada filosofia de vida. A comodidade de encontrar uma verdade pré-estabelecida o leva a cometer grandes erros pois, muitas vezes, a falta de ponderação, senso crítico, adaptação dentro do contexto e intolerância leva algumas pessoas a cometerem excessos que podem variar de discursos exaltados a assassinatos em massa, tudo em nome das "suas verdades". Ainda hoje, na era da informação rápida, facilitada, e abrangente, há pessoas que em nome das suas crenças invadem o direito individual e tentam implantar forçosamente suas doutrinas e "verdades". Muitos têm a noção e estão previamente articulados para atingirem um interesse comum, mas a grande maioria é formada de adeptos realmente crentes no que está sendo disseminado no interior da seita, religião, ou qualquer formação grupal de interesses e pensamentos similares os quais se reúnem para discutir determinado assunto. O gosto pelo pré-determinado pode ser explicado talvez, por que a reflexão está sendo deixada de lado:
  • por medo de estarem errados, o que causa o apego as ideias compartilhadas pelas pessoas do seu ciclo;
  • por exímios argumentadores que os convencem da sua razão;
  • ou ainda pela falta de convivência com a diferença os fazendo crer que o seu modo de vida e pensamento é a única maneira correta pois é a apenas ela que conhecem como tal.
A vontade de implantar suas ideias a qualquer custo, confiantes na sua veracidade ou simplesmente para atingir um interesse, mesmo que não se creia nela, acaba com muitas vidas. Milhões de pessoas foram cruelmente assassinadas por esse "ideal sociológico": Judeus na II Guerra; estrangeiros, ou não, nos pontos de confronto judeu-palestino; estatudinenses no atentado de 11 de setembro; afegãos; iraquianos; vietmanitas; africanos em porões de navios negreiros, ou nas guerras de tribos rivais em suas guerras civis; opositores à ditaduras entre tantos outros, infelizmente exemplificam essa tentativa das pessoas a quererem impor suas ideias e modo de vida e as consequências por ela geradas. A tolerância é amplamente difundida nos tempos atuais, na sua mais vasta aplicação, com a tentativa de harmonizar a vida entre o homem-homem-meio ambiente. A diversidade se torna , agora, enriquecimento cultural, oportunidade de união e adaptação de conhecimentos. O conhecimento de outras formas de pensamento, métodos, ciência, cultura, estilo, etc. não sinaliza, contudo, a homogeinização dos povos. O fato de tomar consciência de outras maneiras de ver o mundo significa que as pessoas terão mais oportunidades de avaliar, criticar, e, diante da informação, decidirem o certo ou errado - ou pelo menos convenientes ou não. Mas a cultura do outro sendo vista como diferente e não como errada será um grande passo para as civilizações viverem harmoniosamente com a manutenção do respeito da individualidade, marca não apenas de grupos mas como o próprio nome sugere é uma característica do individuo. O segredo da tolerância não está em aceitar ou concordar com algo e sim no compreender o que levou o outro a pensar e/ou agir de determinada maneira, no pôr-se no lugar do outro. em expor suas ideias sem exigir concordância e no escutar sem preconceitos. No enxergar o outro como outra pessoa e não numa mera imagem de nós mesmos. Tatiana

0 comentários:

Postar um comentário

Um comentário diz muito sobre você.
Comente com inteligência.

(retribuo comentários bem feitos- afinal,se vc escreve bem aqui, escreve bem lá. ;)

Pesquisar este blog